Arquivo de etiquetas: verao

Alerta! Piolhos também no verão!

A propagação de piolhos não começa e termina na escola. Durante o verão, há um aumento da pediculose em piscinas, campos … atacá-lo com árvore do chá.

Ao contrário do que muitos pais acreditam, a disseminação de piolhos não começa e termina na escola. Durante o verão, há um ressurgimento da pediculose que afeta mais de 40% das crianças espanholas, levando em conta que quase 80% dos casos ocorrem entre julho e outubro.

O Centro de Informações sobre Pediculose reconhece que este problema está a sofrer um aumento durante o verão por vários motivos:

  • O foco do contágio são áreas muito populosas para os menores e, em muitos casos, para ambientes externos. Assim, piscinas, parques, acampamentos, oficinas infantis (…) são um alvo para esses pequenos seres vivos;
  • Nesses locais é muito comum a troca de chapéus, toalhas, roupas e utensílios de higiene que geralmente são partilhados em vestiários ou dormitórios, por isso o contágio é mais efetivo pela impossibilidade de evitar o contacto direto;
  • As altas temperaturas promovem, precisamente, o aparecimento de piolhos, uma vez que o calor favorece suas condições de vida e a propagação das lêndeas. Lembre-se: de cada dez lêndeas, nove são fêmeas (elas colocam cerca de 10 ovos por dia, durante 3 ou 4 semanas);
  • As medidas de precaução são menores porque acredita-se que a água clorada é hostil a esses insetos e, na verdade, eles são capazes de ficar estáticos por horas. Embora não saibam nadar, agarram o cabelo (não se esqueça que os piolhos são parasitas que precisam de beber sangue com frequência para não morrerem.) A sua sobrevivência fora do corpo humano é muito curta, apenas 48 horas).

Como o contágio é produzido

Os piolhos não voam, saltam de cabeça a cabeça. Assim, a disseminação em áreas populosas, como as que já mencionamos, é muito mais comum.

Por exemplo, um espaço com areia é muito propício ao contágio. A areia permite que as lêndeas continuem a sua incubação até 15 horas depois de se soltarem do cabelo. Também é muito importante observar que a água da piscina ou do mar não é um problema para a sua sobrevivência durante todo o dia.

Por outro lado, existe um mito que devemos banir. Não é verdade que os piolhos só “atacam” aquelas cabeças mais sujas mas sim eles sentem-se mais atraídos por cabelos limpos e saudáveis.

E por ultimo. Os piolhos transmitem doenças? Não, podemos ficar calmos. Embora suas consequências sejam muito incômodas para o stress e o desconforto que causam naqueles que as sofrem, elas não são uma causa de alarme contra a saúde pública.

Medidas de

prevenção

e tratamento contra piolhos

  • O ideal seria usar um tratamento o mais natural possível, sem pesticidas ou parabenos, para não danificar ainda mais o cabelo e a pele. Existem óleos de diferentes plantas e ervas que se tornam um remédio muito eficaz contra esses insetos, incluindo o árvore do chá;
  • O óleo da árvore do chá tem muitas aplicações, mas destaca-se por ser antibacteriano, anti-séptico, antiinflamatório e muito eficaz contra esses insetos tão irritantes, pois os repele. Além disso, pode usá-lo diretamente no couro cabeludo (4-6 gotas), esfregando e deixando agir por algumas horas. Ou, ainda mais fácil, escolha champô e um gel contendo esse ingrediente para usar nos seus banhos diários sem ter que esperar tanto tempo para limpar a mistura;
  • Além disso, é muito importante verificar diariamente as cabeças das crianças, especialmente atrás das orelhas e da nuca. Lêndeas ou ovos são muitas vezes confundidos com caspa porque são esbranquiçados quando estão vazios. A principal diferença é que a caspa desprende-se facilmente do cabelo, enquanto os embriões dos piolhos agarram-se ao couro cabeludo com força. Para fazer isso, também deve ter em mãos um pente anti-piolhos com os dentes juntos, para escovar o cabelo com ele diariamente;
  • A roupa pessoal e a roupa de cama devem ser lavados com água quente ou deixados em um saco fechado por dois dias, e devem ser passadas a ferro.
  • Não é recomendável o uso de pediculicida em crianças menores de dois anos ou em mulheres grávidas e não aplicar em condicionadores do cabelo  antes do pediculicídio, pois isso diminui ou reduz a sua eficácia. Por este motivo, qualquer produto orgânico com ingredientes 100% naturais é muito mais seguro e eficaz.

E atenção. Livrar-se dos piolhos não significa que já esteja isento de ser infetado novamente. Mantenha as devidas precauções. Além disso, o sistema imunológico pode levar entre 4 e 6 semanas para desenvolver a sensibilidade da saliva do piolho.

Como enfrentar o calor para praticar desporto no verão

Desporto no verão sim, mas com cabeça. Tome nota sobre algumas rotinas de hidratação e alimentação que vão evitar que se ponha em risco a sua saúde.

Estamos de acordo em que cada vez estamos mais conscientes da necessidade de praticar algúm tipo de desporto ou exercício para melhorar o nosso bem-estar e desconectar da rotina. Mas quando chega o verão, manter esses hábitos saudáveis acostuma a supor um duplo esforço pelas mudanças de horário, o usufructo das férias e sobretudo, por causa do calor.

Como manter a firmeza para sair a treinar com 30 graus à sombra e/ou uma alta percentagem de humidade? (Que atire a primeira pedra quem esteja livre de pecado e não tenha saltado nenhuma das suas marcações no ginásio para ir a praia…)

No entanto, não desanime, porque tudo é possível se é feito com responsanbilidade.

A chave para continuar fazendo desporto no verão com a onda de calor incluida – ou até iniciar-se na atividade – é seguir estrictamente uma serie de conselhos muito simpçes e que vão resultar desde o primeiro momento.

1º Evite realizar desporto nas horas centrais do dia, quando as temperaturas são mais elevadas, já que nestas horas podemos arriscar-nos a sofrer golpes de calor, além de ver o nosso rendimento físico reduzido. Sempre que seja possível, escolha as primeiras horas da manhã ou as últimas horas da tarde.

2º Preste especial atenção à hidratação, pois a sudoração será maior devido as elevadas temperaturas. Deve ingerir líquidos antes e após o exercício, mas também no seu desenvolvimento (embora não sempre apeteça, não espere a ter a sensação de sede, porque é um sintoma de deshidratação).

Se a duração da atividade física é superiro a 1 hora, use bebidas isotonicas para poder repor os electrolitos ou a gel energético, uma fonte excelente de hidratos de carbono. Não esqueça que a água também existe nos alimentos, pelo que, para aquelas pessoas que tenham dificuldade em beber, uma boa forma de aportar água, vitaminas e minerais é tomando frutas com um alto conteúdo em água, como melancía, ananás ou laranja, por exemplo.

3º Utilize ropa e calçado confortável, adequado para a a atividade que vamos desenvolver e que nos facilite a sudoração. Também é importante que proteja a cabeça do sol.

4º Uma boa alimentação é fundamental para fornecer energía, vitaminas e minerais que o nosso corpo vai precisar para a atividade física. A toma de 3 peças de fruta ao dia e 2 raçoes de legumes é necessária. Se o nosso objetivo é aumentar a massa muscular ou ter um maior rendimento, é muito importante realizar uma boa ingestão após o treinamento, com um bom fornecimento de proteínas e hidratos de carbono de índice glucémico elevado, como por exemplo: uma dosagem de proteínas de isolado de soro de leite junto com uma peça de fruta.

Experimente a tomar algum recuperador muscular para suministrar ao organismo aquelas substâncias gastas durante o desporto e não ver limitada a sua capacidade de resistência na seguinte sessão.

5º Não deve de esquecer de proteger a pele contra as radiações solares, embora sinta que o sol não está demasiado forte ou que o dia está com mais nuvems do habitual.

6º E para os que realizam atividade física como método de perda de peso, devem aplicar as mesmas pautas. Não por fazer desporto nas horas mais quentes do dia e transpirar mais, vamos perder mais peso. Simplesmente perderemos mais líquidos, que uma vez nos hidratemos, voltaremos a recuperar. No entanto, é verdade que a toma de algum suplemento alimentar, como por exemplo a L-Carnitina (45 minutos antes da atividade física), vai ajudar-nos a mobilizar uma maior quantidade de gorduras.

7º Por último, aproveite a estação para praticar desportos como a natação, tanto na praia como em piscina. Além de manter uma temperatura corporal ideal, trata-se de uma das atividades mais completas. Isso sim, embora esteja na água, deve hidratar-se igualmente.

Que tipo de atividade física é melhor para a nossa saúde e quanto tempo devemos dedicar-lhe?

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), para obter benefícios a nível do sistema respiratório, muscular ou a nível osseo, uma pessoa adulta deve de práticar, como mínimo:

  • Os adultos de 18 a 64 anos devem praticar, como mínimo, 150 minutos semanais alguma atividade física aeróbica, de intensidade moderada, ou 75 minutos de atividade física aeróbica intensa por semana.
  • A atividade aeróbica será praticada em sessões de um mínimo de 10 minutos de duração.

Bibliografía

  1. http://www.who.int/dietphysicalactivity/factsheet_recommendations/es/

Pernas cansadas e inchadas todo o Verão? Não, obrigado

Combata a insuficiência venosa e as pernas cansadas com exercícios fáceis, menos sal na alimentação ou banhos curtos de água fria e plantas como a semente da uva ou ruscus

O Verão é, sem duvida, um dos principais inimigos para as nossas pernas, provocando uma sensação de cansaço continuo e inchaço que muitas vezes não sabemos como combater. Este transtorno também resulta em sintomas como cólicas, formigueiro ou inclusive pode chegar a adormecer certas extremidades por curtos períodos de tempo. Porém… a que se deve isto? Porque é que tendo as mesmas rotinas no Verão que em outras épocas do ano as nossas pernas não respondem da mesma forma?

Porque é que isto ocorre?

As pernas cansadas e inchadas resultam como consequência de uma retenção de líquidos e uma má circulação por insuficiência venosa (IVC). Esta patologia é a incapacidade das veias para realizar corretamente a circulação do sangue, o que provoca a acumulação deste nas pernas dando lugar a diferentes sintomas e problemas. Esta condição não representa um problema grave para a nossa saúde nas condições iniciais, porem as suas consequências reduzem a nossa qualidade de vida.

As paredes das veias têm umas pequenas válvulas que se abrem e fecham, e servem para ajudar a controlar a pressão e o fluxo de sangue. As veias estão situadas entre os músculos para que a cada passo que dermos produzam uma contração muscular que “comprime” as veias e facilita a circulação do sangue. Ocasionalmente, as veias perdem elasticidade, dilatam-se e provocam que as válvulas se separem e não funcionem bem, provocando insuficiência, cujas principais manifestações são varizes e pernas cansadas.

Quais são as causas?

  • A vida sedentária e a falta de exercício
  • A gravidez
  • Atividades laborais onde se passa muitas horas sentado ou em pé. (Incluindo aqueles que se viaja com frequência ou postura inadequada das pernas)
  • Excesso de peso: O peso corporal excessivo aumenta a pressão nas veias das pernas e agrava o estado das pernas.
  • O calor: Este provoca a dilatação das veias, que por efeito da gravidade, provoca a acumulação de sangue nas pernas intensificando a sensação de peso, cansaço e problemas de circulação.
  • A idade e os fatores genéticos: Com o passar dos anos o revestimento elástico das veias começa a ficar debilitado, possibilitando que as veias se dilatem. Por outro lado, a insuficiência venosa é uma das doenças mais hereditárias.
  • Alterações hormonais: O consumo de pílulas anticoncecionais pode aumentar a permeabilidade e dilatação venosa.

DATO: Os sintomas afetam 30% dos adultos, mas é certo que é mais frequente em mulheres a partir dos 35 e 40 anos por uma predisposição hormonal. No entanto, devido ao estilo de vida são cada vez mais jovens a sofrer deste problema.

O que podemos fazer para reduzir os sintomas?

 

  • Exercícios em casa e no trabalho
  • Uma correta alimentação é primordial, reduzir o consumo de sal, beber a quantidade adequada de água, não esquecendo de frutas e vegetais (uma vez que temos uma grande variedade ao nosso alcance) …
  • Banhos de água fria nas pernas ou alternar entre fria e morna. Notará a diferença em dias.
  • Beba muita água: Muitas vezes pensamos em não beber água porque já fazemos retenção de líquidos, e esperamos que o nosso corpo vá buscar água às nossa pernas, mas realmente o efeito que conseguimos é o contrario.
  • Não utilizar roupa muito justa
  • Eleve as pernas: Quando estamos relaxados no sofá ou na cama, colocar, por exemplo, uma almofada debaixo das pernas.
  • Os alimentos naturais podem desempenhar um papel muito importante no tratamento da insuficiência venosa utilizando aqueles com ações com ação venotónica, protetora vascular e antioxidante quer como complemento alimentar ou em infusões como por exemplo:

– O extrato da semente de uva o Vitis vinífera que ajuda a reduzir a permeabilidade da parede vascular e diminuir a retenção de líquidos. Sem esquecer a sua grande capacidade antioxidante.

– A castanha da india destaca-se pelo seu poder anti-inflamatório e venotónico diminuindo a permeabilidade das veias e reduzindo a retenção de líquidos (efeito antiedematoso).

– O rusco contêm funções antiedematosas, anti-inflamatórias e venotónicas. A Agencia Europeia do Medicamento (EMA) aprova o uso tradicional para o alivio de doenças e sensações de cansaço nas pernas associados a transtornos venosos leves.

– O Hamamelis tem a capacidade de reforçar as paredes venosas.

– O Mirtilo o Arando mostram também atividade antiagregante plaquetária, anti-inflamatória e antioxidante.

– A Groselha negra é utilizada pela sua capacidade diurética, para além da sua atividade vasoprotetora.

– O extrato e a folha do Ginkgo biloba apresentam capacidade vasoreguladora, antiagregante plaquetário antioxidante e neuroprotetor.