Arquivo de etiquetas: valeriana

Alivie os sintomas do cólon irritável graças a fitoterapia

Sofre de cólon irritável? A curcuma, o aloé vera, o gengibre ou a menta são algumas das plantas que vão ajuda-lo a diminuir a dor

Já ouviu falar da doença de cólon irritável? Sofre dela?

O cólon irritável é uma doença intestinal que provoca dores abdominais e mudanças no trânsito intestinal, alternando episódios de diarreia e obstipação.

Controlar a alimentação é uma boa forma de evitar o mau-estar e os ataques desta doença, pelo que devemos evitar bebidas com gás, comida pré-cozinhada, açúcares refinados e alimentos flatulentos como a couve-flor, o grão de bico, o alface… porque tudo isso piora os sintomas do cólon irritável.

Também se deve manter um horário fixo de refeições e (claro) aumentar a toma de água.

Além da alimentação, a fitoterapia é uma grande aliada nesta patologia, pois existem diversas plantas para aliviar os sintomas, como por exemplo:

Para diminuir a dor:

  • CURCUMA: alivia os espasmos e gases, já que é um anti-inflamatório muito potente.
  • CAMOMILA: já que tem, entre ouras muitas, propriedades sedativas e digestivas, muito necessárias para diminuir os gases e desta forma a dor abdominal. Recomenda-se tomar entre 2 e 3 infusões ao dia para notar melhoria.
  • MENTA: usa-se para neutralizar o ácido, aliviar os gases e a dor abdominal
  • VALERIANA: diminui a dor, a ansiedade, o inchaço…
  • GENGIBRE: Tem um alto poder anti-bacteriano, muito útil em problemas intestinais. Podemos toma-lo em infusão, ralando um pouco de raiz de gengibre em água a ferver. Tomar três vezes ao dia para diminuir a inflamação.
  • ALOÉ VERA: sara a mucosa que está no cólon reduzindo a irritação e a inflamação, diminuindo assim as dores intestinais.

Para parar a obstipação:

  • DENTE DE LEÃO: tem umas propriedades laxativas muito suaves.
  • MAGNÉSIO: em forma de carbonato ajuda a regular o trânsito intestinal.
  • SEMENTES DE CHIA MOÍDAS: ajudam da mesma forma que o magnésio a regular o trânsito intestinal.

Para parar a diarreia:

  • SALVIA: tem um alto poder adstringente.
  • ARANDOS: servem para regular o sistema digestivo. Têm muitas propriedades adstringentes, da mesma forma que a salvia, e podem reduzir a diarreia.

Hábitos que aplicar as suas rotinas

  • Tente não alterar-se com frequência: Evite o stress e as situações de muita tensão, porque existe uma grande conexão entre os sistema nervoso e o intestino, e por isso, com o aparelho digestivo. Aplique técnicas de relaxamento, como o ioga, e notará os benefícios.
  • Procure praticar algo de exercício para libertar endorfinas e aliviar a tensão. Sair a correr é uma das melhores opções.
  • Coma e mastigue devagar, para que as digestões sejam o menos pesadas possível e os nutrientes sejam absorvidos de melhor forma.

O magnésio regula o sono?

O magnésio pode ser muito útil para reduzir o cansaço e a fadiga, combater o stress, ansiedade e depressão, diminuir espasmos, etc.

As férias muitas vezes mudam a nossa rotina e os nossos ciclos de sono. Ou por estar passando alguns dias em uma segunda casa com um colchão diferente, seja pela mudança de horários ou pelo jet lag no caso dos mais viajantes. O magnésio foi referido como um regulador do sono. Embora não seja milagroso (não cairemos na cama) pode ser muito útil para melhorar vários fatores que influenciam o sono.

O que é o magnésio?

O magnésio é um mineral que forma parte da estrutura dos ossos, músculos, sangue e tecidos e intervém nas mais de 300 reações enzimáticas, funções motoras (relaxar e contrair os músculos), do sistema nervoso e participa no processo metabólico (do cálcio, por exemplo). De acordo com a Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA), o magnésio contribui para:

  • Diminuir o cansaço e a fadiga;
  • Alcançar o equilíbrio eletrólito e o metabolismo energético normal;
  • O normal funcionamento do sistema nervoso e dos músculos;
  • A normal síntese proteica e a função psicológica normal;
  • O mantimento dos ossos e dentes em condições normais;
  • O processo de divisão celular.

Por outro lado, segundo numerosos estudos, o magnésio pode ajudar-nos a aliviar e a tratar diferentes sintomas e patologias que indiretamente influenciam o sono:

  • Ajuda-nos a diminuir o cansaço e fadiga [1];
  • Relaxar e gerenciar o stress [2];
  • Combater a ansiedade [3] e a depressão [3,4];
  • A diminuir tics, espasmos musculares e caibras nas pernas [5,6];
  • A tratar as enxaquecas [7].

Magnésio como regulador do sono

Segundo Ancient Minerals, o Magnésio tem um efeito neuroprotetor crucial em cada uma das fases do sono. Se temos um défice de magnésio, essas fases perdem a sua ordem harmônica, começando a ser erráticas e com efeitos imprevisíveis. A publicação enfatiza que é precisamente chamado de ciclo do sono porque todos esses estágios estão interrelacionados: se alguém for perturbado durante o sono, os neurónios ficam atordoados, dando origem, na maioria dos casos, à insónia.

O Magnésio intervém no abrandamento do metabolismo, explica a publicação, e na redução da temperatura do cérebro que o corpo precisa para recuperar da sua atividade diária. Segundo Ancient Minerals, também ajuda a regular as hormonas responsáveis, não só para ajudá-lo a adormecer, mas também, para não acordar a meio da noite.

A serotonina é um neurotransmissor intimamente relacionado à melatonina. Na verdade, uma das funções da serotonina é induzir a produção de melatonina, hormona relacionada ao ciclo de sono. O nosso organismo necessita de magnésio para poder gerá-lo a partir de um aminoácido essencial chamado triptofano.

Onde encontrámos o Magnésio?

Os vegetais de folhas verdes (ricos em clorofila) como espinafres, acelga ou couve-flor, fornecem grandes quantidades de magnésio, bem como sementes de abóbora, girassol ou sésamo. Mas o alimento que mais proporciona Magnésio é o cacau (é por isso que, quando estamos tristes, queremos comer chocolate). O limão, a toranja e os figos também possuem um alto teor deste mineral, bem como alguns frutos secos (nozes, amêndoas e castanha de caju), o arroz integral, milho, milhete e os produtos com soja.

O painel de Especialistas em Produtos Dietéticos, Nutrição e Alergias (NDA) da EFSA revisou em 2015 a quantidade de ingestão recomendada de Magnésio:

  • 350 mg/dia para os homens;
  • 300 mg/dia para as mulheres;
  • entre 170-300 mg/dia para as crianças, de acordo com a idade.

Através da alimentação, é difícil alcançar essa dose diária de magnésio, de modo que a suplementação é uma solução muito interessante para nos ajudar a adormecer.

Existem suplementos que contêm magnésio entre os seus ingredientes. Assim, por exemplo, alguns colagénios marinhos são reforçados com magnésio porque facilitam a sua assimilação. Também podemos encontrar carbonato de magnésio. Em qualquer caso, devemos observar a percentagem de CDR (Quantidade Diária Recomendada) que o rótulo indica. Para se certificar de que é a dose certa, esse valor deve ser de 100%.

Se quisermos, podemos complementa-lo com infusões de plantas relaxantes, como valeriana ou passiflora. Para saber mais produtos naturais que podem ajudar a adormecer e melhorar o relaxamento, leia o nosso post Dormir Bem, fundamental para a tua saúde, que também reúne algumas dicas para melhorar o sono.

Bibliografía

  1. Cox I.M., Campbell M.J., & Dowson D. (1991). The Lancet. Red blood cell magnesium and chronic fatigue syndrome, 337, No. 8744, pp. 757‐767.
  2. Seelig, M.S., MD, MPH, Master CAN (1994). Journal of the American College of Nutrition. Consequences of Magnesium Deficiency on the Enhancement of Stress Reactions; Preventative and Therapeutic Implications, 13, No. 5, Pg 429‐446.
  3. Jacka, FN; Overland, S; Stewart, R; Tell, GS; Bjelland, I; & Mykletun, A (2009). Australian and New Zealand Journal of Psychiatry. Association between magnesium intake and depression and anxiety in community‐dwelling adults: the Hordland Health Study, 43, No. 1, pp. 45‐52.
  4. Eby GA, Eby KL (2006). Medical Hypothesis. Rapid recovery from major depression using magnesium treatment, Vol 67, No 2, pp. 362‐370
  5. Hornyak M, Voderholzer U, Hohagen F, Berger M, & Riemann D (1998). Magnesium therapy for periodic leg movements‐related insomnia and restless legs syndrome: an open pilot study, Vol21, No. 5, pp. 501‐5.
  6. Roffe C, Sills S, Crome P, Jones P (2002). Medical Science Monitor. Randomised, cross‐over, placebo controlled trial of magnesium citrate in the treatment of chronic persistent leg cramps, 8, No. 5, CR326‐30.
  7. Bigal, ME; Bordini, CA; Tepper, SJ, & Speciali, JG (2002). Cephalalgia. Intravenous Magnesium Sulphate in the Acute Treatment of Migraine Without Aura and Migraine with Aura. A Randomized, Double‐Blind, Placebo‐ Controlled Study, 22, No. 5, pp. 345‐353.

10 chaves para controlar a ansiedade

Fornecemos-lhe alguns truques para o ajudar a reduzir a ansiedade, concretamente 5 remédios naturais e 5 hábitos saudáveis para incluir na sua rotina

O que é a ansiedade?

A ansiedade pode ser uma emoção normal ou um transtorno psicológico, dependendo da sua intensidade e do impacto que uma pessoa sofre no seu dia a dia.

Em condições normais, trata-se de uma emoção que constitui os impulsos vitais que nos motivam a realizar as nossas tarefas e a enfrentarmos novas situações.

A ansiedade converte-se em patologia quando em vez de favorecer o nosso comportamento, interfere sobre ele, e alcança tal protagonismo que desperta a nossa atenção para ele.

Pode dar-se em situações circunstanciais como situações traumáticas (acidentes rodoviários), experiências vitais significativas (alterações a nível profissional e pessoal), consumo de substâncias tóxicas e se existe carácter genético.

Como identificar que sofremos de ansiedade?

Os sintomas da ansiedade tanto podem ser físicos como psicológicos.

Físicos:

  • Pulsação elevada
  • Transpiração excessiva
  • Transtornos digestivos
  • Tensão muscular
  • Aperto no peito

Psicológicos:

  • Problemas de concentração
  • Preocupação constante
  • Problemas de sono
  • Pensamento negativos

5 remédios naturais para combater a ansiedade

Existem diferentes plantas e princípios ativos que podem ser um apoio interessante e ajudar-nos a controlar ou a minimizar a ansiedade. Vejamos as opções que a natureza nos oferece:

  • P5HTP o 5-hidroxitriptófano: procedente de plantas como Griffonia, o 5HTP, poderíamos decidir de uma forma mais bio disponível do aminoácido L-triptofano. Como sabemos que é um precursor da serotonina, sim! O chamado “hormônio da felicidade”. Graças ao seu efeito ansiolítico pode ser de grande ajuda para aqueles estados de ansiedade e insônia.
  • Valeriana: Embora seja popularmente conhecido por ajudar a adormecer, esta planta pode ser muito útil graças às suas propriedades relaxantes. Esta vai ajudar a reduzir a tensão nervosa, irritabilidade e stress mental.
  • Melissa: A Melissa officinalis oferece propriedades sedativas (para além de digestivas e carminativas). Muito útil no nervosismo e stress.
  • Magnésio: Embora se conheça muitas propriedades deste mineral, neste caso, vamos destacar aqueles que estão relacionados com o sistema nervoso e humor. O magnésio é um dos principais ativadores da libertação de processos de energia, melhora o funcionamento psicológico, diminui a resistência, a fadiga e a insónia.
  • Vitamina B6: A vitamina B6 ou piridoxina intervém no normal funcionamento das células nervosas, na síntese de neurotransmissores (tais como o GABA ou serotonina). Por isso, é geralmente recomendado em síndrome depressiva ou de ansiedade. Também em situações de stress, o corpo precisa de maiores quantidades desta vitamina.

5 hábitos essenciais na sua rotina

Se sofre de ansiedade frequentemente, faz uma pausa na tua rotina e incorpora estes 5 hábitos urgentemente. No princípio vai precisar de um plano, mas gradualmente vai se acostumar e acabará por deixá-lo.

  • Dedicar-se tempo, sentar-se calmamente e refletir com uma bebida quente. Identificar a causa e tomar consciência para poder controlá-la. Pode dedicar 5 minutos escrevendo o que são esses pensamentos e esses medos, poderá vê-los a partir de outra perspetiva.
  • Ative seu corpo. Como temos falado muitas vezes exercício liberta substâncias diferentes no corpo que nos fazem mais positivos.
  • Cuide da alimentação. Evita substâncias excitantes.
  • Procure um confidente, para compartilhar as suas emoções irá ajudar a reduzir a ansiedade. Se se sentir compreendido e ouvido, algumas preocupações irão reduzir de intensidade.
  • Aprenda a relaxar e respirar. Estas técnicas são muito eficazes no combate à ansiedade.

Hoje nós quisemos dar-lhe algumas ferramentas para detetar ansiedade e ajudá-lo a viver com ela, reduzindo-a. Mas lembre-se que é um sentimento que muitos experimentam em diversos momentos da vida, e isso é normal. Não se assuste mais do que o necessário. Aceite esses sentimentos e aprenda a lidar com eles!