Arquivo de etiquetas: sono

Seis hábitos “naturais” para ir ao festival este verão

Não permita que os imprevistos lhe estrague os festivais! Nós temos a solução para as digestões pesadas, queimaduras solares ou cansaço…

Óculos de sol, uma camisola, água, carregador portátil, almofada e comida… Se quer que a sua vida seja mais fácil NUNCA se esqueça destes objetos básicos para ir aos seus festivais de música de verão.

Mas, lembre-se: Os agentes externos e internos (veja inclemência meteorológica, queda, intoxicação…) também temos tendência a fazer truques em festivais desse tipo e são mantidos ao ar livre, por isso é necessário expandir essa lista de itens essenciais com alguns produtos naturais que estarão no nosso bem-estar.

Cuidado com o sol !

Se a proteção dos olhos é fundamental, imagine a da pele. É provável que você passe muitas horas sob o sol e as consequências podem ser piores do que você imagina.

Para evitar insolações e queimaduras perigosas existe um creme de proteção solar ecológico, sem filtro químico, que conta com a proteção UV e UVA.

Por exemplo, a cara é uma das zonas que mais nos descuidámos nestes casos, por isso recomendámos o uso de Bronze, um creme solar Drasanvi formulado à base de Aloe Vera, Óleo de Amêndoas e Óleo de Oliva, o que lhe fornecerá um extra de elasticidade, hidratação e proteção da pele. No entanto, pelo seu alto conteúdo em Vitamina E e carotenos, o óleo de oliva fornece uma ação eficaz que retarda o envelhecimento da pele.

Deve ser aplicado meia hora antes da exposição solar e renova-la de vez enquanto. A sua embalagem, com tecnologia Airless para a sua fácil aplicação, é de 50ml, pelo que poderá levá-lo consigo sem problema. Não é necessário usar muita quantidade para alcançar o seu efeito. Além disso, pode escolher entre FPS 30 ou 50.

Melhor o remédio que a doença

Se existe um aliado por excelência que deve estar sempre na mochila de um festivalero é puro gel de Aloe Vera. Se pulou o ponto anterior ou, diretamente, não renovou o creme solar tantas vezes quanto deveria, tem muitas cédulas para terminar o dia com uma queimadura. Para evitar ou aliviar a dor, o ardor ou o desconforto causado por este tipo de agressão externa, use o gel sobre a pele limpa e massaje até à sua absorção.

Também é perfeito como um bálsamo em áreas irritadas ou avermelhadas, após depilação ou barbear ou para tratar queimaduras por atrito ou luz.

Mosquitos fora!

O inimigo por excelência da maioria das pessoas quando passam a noite ao ar livre são mosquitos. Mas também temos uma solução muito natural para isso: o óleo de árvore do chá pode ser aplicado na área afetada a qualquer momento e de forma limpa e rápida.

Pode ser usado para picadas de insetos, em herpes labial, contra acne ou na cutícula das unhas dos pés quando há a presença de fungos. O Árvore do Chá de Drasanvi é extraído por arraste a vapor de água, o que lhe permite conservar todas as suas propriedades.

Você deve saber que o óleo da árvore do chá é antisséptico, antibacteriano, antiviral, cicatrizante e fungicida.

Desfrute dos festivais com energia

Quando o festival dura vários dias, o cansaço acumula-se e o corpo sofre com toda a adrenalina que libertamos, a redução das horas de sono, o barulho …

A melhor opção para poder disfrutar ao máximo é ter um complexo multivitamínico de nova geração, como é o caso de Ynergy energia imediata, que incorpora plantas como Maca, Ginseng e Guaraná e está indicado para diminuir o cansaço. Graças à sua embalagem conveniente, pode ser transportado e consumido a qualquer momento, sozinho ou diluído em água, suco ou leite.

Não deixe que os excessos lhe passem conta

Todos sabemos que neste tipo de festivais é muito fácil negligenciar o horário das refeições e a qualidade das mesmas. Em muitas ocasiões, optamos por alimentos processados, pré-cozidos e, quase sempre, com grande quantidade de gordura, o que pode dificultar a digestão ou causar mal-estar geral.

Não é tão difícil nos alimentarmos de maneira saudável quando saímos. Descubra se pode comprar comida fora ou só pode comprá-la dentro do recinto. Se puder escolher, coloque disposições em um refrigerador para guardar alimentos frescos e escolha os seus produtos.

Se a única opção é se adaptar ao que tem, tenha em mente:

  • Evite os produtos carnes processadas como as salsichas e chouriços. Opte por frango ou peixe.
  • Tempere os alimentos com azeite de oliveira, ervas e especiarias em vez de sobrecarregá-los com ketchup e molho de churrasco.
  • Fique longe, sempre que puder, de alimentos fritos, produtos com grandes quantidades de queijo e alimentos com molho cremoso.
  • A hidratação é fundamental. Todos nós sabemos que a regra são 1,5l de água por dia, embora nem sempre a apliquemos como deveria ser. Coma fruta entre as refeições ou beba limonada para evitar as consequências do calor e desidratação.
  • Leve consigo algum suplemento alimentar como Epatik de Drasanvi para ajudá-lo a proteger o fígado das substâncias químicas e elimina-las. Graças a ingredientes naturais como o boldo, dente de leão, colina, cardo mariano evitará a retenção de líquidos e eliminará as toxinas que pode acumular durante esses dias. Pode tomar em cápsulas ou xarope e o seu corpo irá notar.

Conciliar o sono também é possível

Se viajar muito, deve levar em conta a mudança de horário que sofrerá quando chegar ao seu destino. Isso o levará a uma sensação conhecida como jet lag ou ‘mudança rápida da síndrome do fuso horário’, caracterizada por fadiga, sonolência, irritabilidade, náusea, diarréia, etc., sempre dependendo da pessoa, do destino e do número de horas de diferença.

Um bom aliado para esse tipo de problema é a melatonina, uma hormona segregada naturalmente pela glândula pituitária em função dos ciclos claro-escuro. Ele tem sido tradicionalmente usado para aliviar os sintomas do jet lag, reduzindo o tempo necessário para adormecer.

Há em líquido e em cápsulas para tomar uma hora antes de deitar ou adaptar-se ao tempo de sono do local de destino. É recomendado para pessoas que trabalham em turnos e têm um desequilíbrio no seu descanso muito importante.

A melhor alimentação para o teu cérebro em época de exames

O que comer para render mais e outros conselhos saudáveis que vão ajudar-te a enfrentar com sucesso a época de exames

Chegam as provas finais e os exames do trimestre e com eles a falta de concentração, porque as vacacións están á volta, os problemas para adormecer, as mudanças nos horários… Por isso, hoje vamos ver como influi a alimentação e outros fatores no momento de ativar a nossa mente e melhorar os nossos estudos.

Existe uma relação direta entre a alimentação e a concentração ou os níveis de estudo, sobretudo em crianças e adolescentes. Uma má ou boa alimentação pode variar muito o rendimento escolar. Como acontece com a dieta baixa em vitaminas, que pode provocar uma descida na concentração e atenção.

Por isso, se estamos em épocas de exames, como pode ser agora o caso, não necessitamos de um fornecimento extra de hidratos de carbono (como a maioria da população pensa) mas o ideal é o aumento de vitaminas e minerais, como podem ser: B, E, Potássio, Magnésio, Zinco, etc…

Por outro lado, a alimentação também está muito relacionada com o estado de animo, o qual é fundamental na hora de estudar ou querer levar a termo uma tarefa que requer de concentração. Então, que produtos são ótimos para enfrentar os exames com energia? Vamos dar-te alguns conselhos. Toma nota!

  • Não substituir pratos tradicionais por précozinados.
  • Incluir saladas e legumes.
  • Consumir 3 vezes por semana pasta ou arroz.
  • 5 peças de fruta ao dia.
  • Lácteos diariamente.
  • Batatas diariamente, mas cozinhadas de forma saudável.

Se isto ainda não é suficiente, existem também vários suplementos naturais que fornecem energia e clareza mental durante estas intensas jornadas. Entre eles, destacamos.

  • Ginseng: Fornece grande clareza mental, energia e resistência.
  • Guaraná: É a planta que mais cafeína contém, pelo que aumenta o estado de alerta mental, melhorando a associação de ideias, a resistência e a constância.
  • Triptófano: Favorece o sono e é recomendável para regular o ciclo diário sono-vigília. Tem efeito tranquilizante, ideal para estas épocas de exames.
  • Taurina: Melhora a função cerebral e a qualidade do sono. Ainda, ajuda-te a lidar com o stress.
  • Melatonina: Atúa como um relógio biológico, provocando sono de noite e diminuindo de manhã.

Como influem os fatores ambientais, o sono e outros detalhes na hora do estudo

  • O lugar de estudo: Deve ter uma boa iluminação, além de contar com um mobiliário adequado (Cadeira e mesa a altura certa) e uma temperatura agradável.
  • Prepara o material que precisa antes de começar a estudar. Com isso evitarás distracções ao ter que te levantar cada pouco tempo.
    Estuda sem fome, ou te será dificil concentra-te
  • Corta o tempo de estudo em pequenas sessões. O ideal é que cada sessão não supere os 30 minutos.
  • Propõe-te um horário de estudo fixo, porque ao seguir uma rotina, notarás um efeito notável no rendimento.
  • Tens que saber que o exercício físico é muito bom para uma mente desperta. Aproveita para dar um passeio antes ou depois de estudar.
  • Sono: Deves estabelecer hábitos, é muito importante dormir pelo menos 8 horas ao dia.

Bibliografía

  1. “Come bien y vive mas y mejor” Doctor Antonio Escribano , Espasa 2016.
  2. sld.cu/terminos-farmacológicos/2011
  3. Murray MT. 5-Hydroxytryptophan. In: Pizzorno JE, Murray MT, eds. Textbook of Natural Medicine. 4th ed. St. Louis, MO: Elsevier Churchill Livingstone

O magnésio regula o sono?

O magnésio pode ser muito útil para reduzir o cansaço e a fadiga, combater o stress, ansiedade e depressão, diminuir espasmos, etc.

As férias muitas vezes mudam a nossa rotina e os nossos ciclos de sono. Ou por estar passando alguns dias em uma segunda casa com um colchão diferente, seja pela mudança de horários ou pelo jet lag no caso dos mais viajantes. O magnésio foi referido como um regulador do sono. Embora não seja milagroso (não cairemos na cama) pode ser muito útil para melhorar vários fatores que influenciam o sono.

O que é o magnésio?

O magnésio é um mineral que forma parte da estrutura dos ossos, músculos, sangue e tecidos e intervém nas mais de 300 reações enzimáticas, funções motoras (relaxar e contrair os músculos), do sistema nervoso e participa no processo metabólico (do cálcio, por exemplo). De acordo com a Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA), o magnésio contribui para:

  • Diminuir o cansaço e a fadiga;
  • Alcançar o equilíbrio eletrólito e o metabolismo energético normal;
  • O normal funcionamento do sistema nervoso e dos músculos;
  • A normal síntese proteica e a função psicológica normal;
  • O mantimento dos ossos e dentes em condições normais;
  • O processo de divisão celular.

Por outro lado, segundo numerosos estudos, o magnésio pode ajudar-nos a aliviar e a tratar diferentes sintomas e patologias que indiretamente influenciam o sono:

  • Ajuda-nos a diminuir o cansaço e fadiga [1];
  • Relaxar e gerenciar o stress [2];
  • Combater a ansiedade [3] e a depressão [3,4];
  • A diminuir tics, espasmos musculares e caibras nas pernas [5,6];
  • A tratar as enxaquecas [7].

Magnésio como regulador do sono

Segundo Ancient Minerals, o Magnésio tem um efeito neuroprotetor crucial em cada uma das fases do sono. Se temos um défice de magnésio, essas fases perdem a sua ordem harmônica, começando a ser erráticas e com efeitos imprevisíveis. A publicação enfatiza que é precisamente chamado de ciclo do sono porque todos esses estágios estão interrelacionados: se alguém for perturbado durante o sono, os neurónios ficam atordoados, dando origem, na maioria dos casos, à insónia.

O Magnésio intervém no abrandamento do metabolismo, explica a publicação, e na redução da temperatura do cérebro que o corpo precisa para recuperar da sua atividade diária. Segundo Ancient Minerals, também ajuda a regular as hormonas responsáveis, não só para ajudá-lo a adormecer, mas também, para não acordar a meio da noite.

A serotonina é um neurotransmissor intimamente relacionado à melatonina. Na verdade, uma das funções da serotonina é induzir a produção de melatonina, hormona relacionada ao ciclo de sono. O nosso organismo necessita de magnésio para poder gerá-lo a partir de um aminoácido essencial chamado triptofano.

Onde encontrámos o Magnésio?

Os vegetais de folhas verdes (ricos em clorofila) como espinafres, acelga ou couve-flor, fornecem grandes quantidades de magnésio, bem como sementes de abóbora, girassol ou sésamo. Mas o alimento que mais proporciona Magnésio é o cacau (é por isso que, quando estamos tristes, queremos comer chocolate). O limão, a toranja e os figos também possuem um alto teor deste mineral, bem como alguns frutos secos (nozes, amêndoas e castanha de caju), o arroz integral, milho, milhete e os produtos com soja.

O painel de Especialistas em Produtos Dietéticos, Nutrição e Alergias (NDA) da EFSA revisou em 2015 a quantidade de ingestão recomendada de Magnésio:

  • 350 mg/dia para os homens;
  • 300 mg/dia para as mulheres;
  • entre 170-300 mg/dia para as crianças, de acordo com a idade.

Através da alimentação, é difícil alcançar essa dose diária de magnésio, de modo que a suplementação é uma solução muito interessante para nos ajudar a adormecer.

Existem suplementos que contêm magnésio entre os seus ingredientes. Assim, por exemplo, alguns colagénios marinhos são reforçados com magnésio porque facilitam a sua assimilação. Também podemos encontrar carbonato de magnésio. Em qualquer caso, devemos observar a percentagem de CDR (Quantidade Diária Recomendada) que o rótulo indica. Para se certificar de que é a dose certa, esse valor deve ser de 100%.

Se quisermos, podemos complementa-lo com infusões de plantas relaxantes, como valeriana ou passiflora. Para saber mais produtos naturais que podem ajudar a adormecer e melhorar o relaxamento, leia o nosso post Dormir Bem, fundamental para a tua saúde, que também reúne algumas dicas para melhorar o sono.

Bibliografía

  1. Cox I.M., Campbell M.J., & Dowson D. (1991). The Lancet. Red blood cell magnesium and chronic fatigue syndrome, 337, No. 8744, pp. 757‐767.
  2. Seelig, M.S., MD, MPH, Master CAN (1994). Journal of the American College of Nutrition. Consequences of Magnesium Deficiency on the Enhancement of Stress Reactions; Preventative and Therapeutic Implications, 13, No. 5, Pg 429‐446.
  3. Jacka, FN; Overland, S; Stewart, R; Tell, GS; Bjelland, I; & Mykletun, A (2009). Australian and New Zealand Journal of Psychiatry. Association between magnesium intake and depression and anxiety in community‐dwelling adults: the Hordland Health Study, 43, No. 1, pp. 45‐52.
  4. Eby GA, Eby KL (2006). Medical Hypothesis. Rapid recovery from major depression using magnesium treatment, Vol 67, No 2, pp. 362‐370
  5. Hornyak M, Voderholzer U, Hohagen F, Berger M, & Riemann D (1998). Magnesium therapy for periodic leg movements‐related insomnia and restless legs syndrome: an open pilot study, Vol21, No. 5, pp. 501‐5.
  6. Roffe C, Sills S, Crome P, Jones P (2002). Medical Science Monitor. Randomised, cross‐over, placebo controlled trial of magnesium citrate in the treatment of chronic persistent leg cramps, 8, No. 5, CR326‐30.
  7. Bigal, ME; Bordini, CA; Tepper, SJ, & Speciali, JG (2002). Cephalalgia. Intravenous Magnesium Sulphate in the Acute Treatment of Migraine Without Aura and Migraine with Aura. A Randomized, Double‐Blind, Placebo‐ Controlled Study, 22, No. 5, pp. 345‐353.