Como regular a prisão de ventre de forma natural

Como regular a prisão de ventre de forma natural

A prisão de ventre provoca mau estar e até dores abdominais. Alimentação, desporto e hábitos saudáveis podem ajudar-nos a regular esta situação.

Hoje falaremos de um dos transtornos digestivos mais comuns na população, a obstipação. Aproximadamente um 25% da população padece este problema, sendo mais frequente nas mulheres (até 3 vezes mais) e em pessoas de idade avançada.

Em condições normais, as fezes, formadas principalmente por água, mas também por restos de bactérias, resíduos de diversos alimentos e fibra, avançam pelo cólon até chegar ao reto, onde o sistema nervoso gera um impulso que é transmitido ao cérebro, informando que a defecação pode ser realizada.

Quando o conteúdo do cólon circula com muita lentidão, produz-se uma reabsorção de líquidos com o conseguinte endurecimento das fezes e diminuição do seu volume, o que requer um esforço superior para a sua expulsão.

Entendemos que uma frequência normal de deposições pode oscilar entre 3 diárias e 3 por semana, considerando obstipação menos de 3 deposições por semana com esforço, fezes duras e sensação de evacuação incompleta.

Podemos distinguir ainda entre:

  1. Obstipação aguda ou ocasional, que tem uma duração curta e reverte em poucos dias. Vem ocasionado por mudanças transitórias, como viagens, mudanças na alimentação, falta de exercício ou redução na ingestão de água. Não costuma ser necessário instituir um tratamento, embora possa recorrer pontualmente a tomada de laxantes brandos.
  2. Obstipação crónica, que aparece durante um período superior a 12 semanas, não necessariamente consecutivas, durante os 12 meses anteriores,

Causas frequentes de obstipação

Existem fatores externos que podem provocar obstipação:

  • Fatores dietéticos, uma ingestão insuficiente de fibra e líquidos na dieta.
  • Fatores sociais, como o estado emocional, tipo de vida ou atividade socioprofissional, podem influir.
  • Ausência de exercício físico.
  • Lesões intestinais, como fissuras e hemorroidas que causam uma deposição dolorosa, provocando uma repressão do reflexo natural de defecar.
  • Certos medicamentos

A obstipação, por si própria, não acostuma provocar dor abdominal, embora sim provoque certas moléstias, como pode ser flatulência, mau estar, sensação de abdómen cheio ou digestões pesadas.

Medidas higiénico-dietéticas

As medidas higiénico-dietéticas a serem tomadas frente a uma situação de obstipação crónica seriam:

1- Beber água. É muito importante incrementar a ingestão de água, pelo menos 2 litros por dia.

2- Incrementar o consumo de fibra, temos muitas opções para o fazer;

Cereais integrais: pães, bolachas, aveia…

Vegetais e hortaliças; espinafres, vagens, alface, acelgas.

Legumes; grão-de-bico, lentilhas, feijão, ervilhas.

Frutas; maçã, kiwi, ameixas, laranjas.

Plantas mucilaginosas; como a Ispagula (Plantago ovata), este tipo de plantas contêm uma grande quantidade de água nos sucos gastrointestinais e formam um gel que aumenta o tamanho do bolo fecal. Por este aumento, se favorecem os movimentos do intestino que o conduzirão até o reto favorecendo a deposição. Uma grande característica do seu efeito é que a intensidade é leve ou moderada e se manifesta entre 12 e 72 horas após a administração. Embora possam passar até 3 semanas até atingir o efeito desejado, nosso corpo necessita de um período de adaptação até recuperar a regularidade.

3- Aconselha-se fazer exercício físico, os resultados serão melhores se se trabalha a musculatura abdominal.

4- Cuidar nossa flora intestinal é essencial. Um suplemento alimentar que contenha probióticos e pré-bióticos pode ser essencial.

5- Outro fator importante é não reprimir a vontade de ir ao quarto de banho. Um bom hábito pode ser ir todos os dias à mesma hora e ter em conta a postura, e faze-lo todos os dias, embora não todas as visitas tenham sucesso.

O efeito de todas estas medidas não será imediato, paciência e persistência serão necessárias. Como disse antes, o nosso corpo pode demorar algumas semanas em atingir a regularidade. Se necessário, poderemos usar laxantes brandos, tentando evitar os laxantes irritantes que poderiam provocar alterações intestinais e criar um hábito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *