Colagénio

Porque é que não todos os suplementos de colagénio são iguais?

O colagénio é essencial para a elasticidade e flexibilidade dos órgãos e para a integridade das estruturas

Quer por motivos científicos ou comerciais quando confrontados com a opção de tomar um suplemento com colagénio surgem-nos várias questões, como a sua origem, como é a sua absorção ou mesmo a importância de juntá-lo com outros ingredientes. Pois bem, segundo estudos científicos os colagénios não são todos iguais nem são tratados da mesma forma. Mas antes de entrar nesta matéria, devemos saber o que é o colagénio e como a sua falta afeta o nosso corpo, especialmente ossos, cartilagem e pele.

O que é o Colagénio ?

O colagénio é uma proteína essencial presente em uma de cada quatro moléculas que compõem o nosso corpo. Corresponde aproximadamente a 7% da nossa massa corporal. Só na pele, o nosso maior órgão, o colagénio está presente em 70% do seu peso. Para além da cartilagem em 67%, 10% nos pulmões e 4% no fígado, entre as mais importantes.

O colagénio é essencial para a elasticidade e flexibilidade dos órgãos e para a integridade das estruturas. A fibra de colagénio mistura-se facilmente com uma ampla gama de substâncias e minerais, produzindo efeitos significativos sobre a arquitetura do tecido. Como exemplo, na extrutura da pele, o colagénio e a elastina forma uma rede. Nos ossos, o colagénio mistura-se com cristais de cálcio, proporcionando uma estrutura rígida. Na cartilagem, combina-se com a elastina e com a matriz extracelular, criando um gel que absorve os impactos entre as articulações.

Desta forma, 99% do total do colagénio presente no nosso corpo encontra-se nos diferentes tecidos conjuntivos como tendões, ligamentos, pele, cartilagem, estrutura do olho e órgãos praticamente todos os internos, superfícies celulares, cabelo e placenta.

A partir dos estudos científicos, o colagéneo presente no nosso corpo vai se reduzindo gradualmente a partir dos 25 anos. Inclusive a produção de colagénio diminui até 40% entre os 60-65 anos. Mas além da idade encontrámos outros fatores determinantes que fazem com que o nosso corpo perca colagénio como é o caso do stress, tabaco, exposição ao sol, má alimentação, poluição, falta de sono ou simplesmente por desgaste ao praticar exercício físico. Estas são algumas das principais razões da perda de colagénio, com a consequente perda de firmeza e elasticidade que pode ser vista na pele, cabelo e unhas. As dores articulares e musculares também são um claro aviso. Também devido à falta desta proteína podem surgir problemas oculares, dentários e circulatórios.

Colagénio através da nutrição

Mas, como podemos retardar ou prevenir problemas derivados da falta de colagénio? Atualmente cada vez são maiores os avanços nesse sentido e tudo parece indicar que uma dieta rica em aminoácidos poderia ajudar a melhorar a nosso fornecimento de colagénio.

Os aminoácidos são a parte que constitui uma proteína e as proteínas são o que constituem a estrutura de qualquer organismo vivo. Por esta razão, o organismo necessita constantemente de aminoácidos e muitos deles são os chamados essenciais, que não são produzidos pelo organismo, mas há que ingeri-los na sua dieta. Nas últimas décadas têm-se generalizado problemas de saúde devido a uma má alimentação. Por esta razão, parece não só lógico, mas também conveniente suplementar a nossa dieta com alimentos e complementos alimentares ricos em colagénio.

Resumindo e com base em pesquisas científicas, um bom complemento de colagénio depende em grande parte da sua origem, qualidade e assimilação, e não menos importante a combinação deste com outros ingredientes, como a Vitamina C, ácido hialurónico ou magnésio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *